CERTIFICAÇÃO NP EN ISO 9001

ÂMBITO DA CERTIFICAÇÃO

 
  1. CARACTERIZAÇÃO DE IMPACTES NA COMPONENTE ACÚSTICA DO AMBIENTE

  2. C0NDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS E EQUIPAMENTOS

  3. AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO DE TRABALHADORES AO RUÍDO DURANTE O EXERCÍCIO DE UMA ACTIVIDADE LABORAL

A.   CARACTERIZAÇÃO DE IMPACTES NA COMPONENTE ACÚSTICA DO AMBIENTE

O objectivo dos estudos de impacte é identificar, prever, interpretar, avaliar e prevenir as consequências, benéficas e prejudiciais, da implementação de uma acção com base em parâmetros ambientais estabelecidos.

Os estudos de impacte ambiental são um instrumento indispensável na política ambiental para assegurar a conservação dos recursos naturais e eliminar ou minimizar efeitos ambientais indesejáveis, resultantes das acções implementadas.

Neofossen
Check here!
http://neofossen.com/

Embora já com um quarto de século, a avaliação do impacte ambiental pode considerar-se, a nível internacional, uma disciplina recente. A sua importância é tanto mais relevante quanto a componente ambiental se impõe de forma cada vez mais acentuada na agenda política dos países desenvolvidos ou em fase de desenvolvimento, traduzindo, por isso, um instrumento decisório fundamental.

Pode considerar-se o ruído como um dos principais factores que afectam o ambiente contribuindo para a degradação da qualidade de vida, principalmente em meio urbano. A resolução das questões que lhe estão associadas está fortemente articulada com o ordenamento do território e com a gestão dos espaços públicos.

Na União Europeia, mais de 22% da população urbana está sujeita a ruídos de intensidade caracterizada por Leq ³ 65 dB(A) resultantes, sobretudo, do tráfego de superfície e aéreo.

Em Portugal, o ruído constitui a causa da maior parte das reclamações ambientais e esta situação tem vindo a agravar-se. Os problemas actuais poderão, em grande parte, ser minimizados, ou mesmo evitados, mediante um processo adequado de licenciamento das actividades ruidosas de acordo com os critérios estabelecidos na legislação existente, e definindo valores-limite para a intensidade da poluição sonora, de modo a proteger a saúde pública e a salvaguardar um ambiente sonoro equilibrado.

http://energy-beautybar.com/bg/
Read!
http://energy-beautybar.com/bg/

Em Portugal a política do ambiente é definida pela Lei de Bases do Ambiente, lei nº 11/87 de 7 de Abril, que consagra como princípios básicos o direito de todos os cidadãos a um ambiente humano ecologicamente equilibrado e o dever de o defender. A concretização dos objectivos referidos nesta Lei, relativamente aos estudos de impacte ambiental, é apresentada no Decreto-Lei nº 69/2000 de 3 de Maio, rectificado pela Declaração de Rectificação nº 7-D/2000, de 30 de Junho, que transpõe para a legislação portuguesa a Directiva nº 85/337/CEE de 27 de Junho de 1985, com as alterções introduzidas pela Directiva nº 97/11/CE de 3 de Março de 1997. A aplicação desta legislação torna essencial que a aprovação dos projectos considerados susceptíveis de provocar incidências significativas sobre o ambiente sejam sujeitos a um processo de avaliação de impacte ambiental.

 

B.   CONDICIONAMENTO ACÚSTICO DE EDIFÍCIOS E EQUIPAMENTOS

O condicionamento acústico de edifícios e equipamentos constitui um universo relativamente vasto no que respeita às características específicas que pode assumir.

Os estudos de condicionamento acústico traduzem o resultado de processos mais ou menos complexos que têm como pontos de partida recolhas de dados de diversa natureza, que irão permitir estabelecer processos de modelação – correntemente de natureza digital – em termos de tornar possíveis análises de índole prospectiva que facultarão apreciações de desempenho, possibilitando avaliar as medidas de condicionamento ou correcção, sejam estas de natureza formal ou interessando o domínio das soluções construtivas.

 

 

C.   AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO DE TRABALHADORES AO RUÍDO DURANTE O EXERCÍCIO DE UMA ACTIVIDADE LABORAL

O procedimento a adoptar na avaliação em causa está estabelecido no Decreto-Regulamentar 9/92, de 28/4. Deste modo, a avaliação realizada assume a resposta à exposição como um processo integrador complementado pela apreciação de exposições muito intensas e de duração muito reduzida. Assim, os parâmetros base para a avaliação da exposição são o nível sonoro contínuo equivalente avaliado para um período laboral de 8h, expresso em dB(A), e o pico de nível de pressão sonora expresso em decibel.

Do Decreto-Regulamentar 9/92 há que considerar explicitamente a aplicação dos Artigos 1º, 3º, 4º, 5º, 7º, 8º e 13º.

http://energy-beautybar.com/es/
Check!
http://energy-beautybar.com/es/

O processo de avaliação do nível sonoro contínuo equivalente assentará num processo de modelação que visará estabelecer, em termos percentuais e tendo por base a duração do período laboral diário, as características da exposição correspondente a cada um dos Trabalhadores objecto de análise. A estruturação deste modelo de exposição deverá, para cada caso, ser estabelecida – ouvindo o Trabalhador – com base em informações colhidas junto do responsável hierárquico directo e do responsável do Sector de Higiene e Segurança no Trabalho, obviamente quando tal Sector existir na Empresa.

Estabelecida a estrutura do modelo de exposição, o Operador procederá à medição do nível sonoro contínuo equivalente durante um intervalo de tempo de duração adequado, considerando os diversos ruídos a registar, de modo que o registo obtido traduza uma modelação homotética da situação de exposição modelada.

Paralelamente à medição do nível sonoro contínuo equivalente, deverá proceder-se à medição do pico de nível de pressão sonora, recorrendo à ponderação "I" do sonómetro.

Em apresentação de síntese, nos termos da Regulamentação vigente e para o entendimento da aplicação do presente Procedimento, as situações que podem colocar-se são as seguintes:

a)

   LEP,d manifestamente inferior a 80 dB(A)

   e

   Max Lpico manifestamente inferior a 140 dB

Não se coloca a necessidade de proceder a qualquer avaliação visando uma apreciação quantificada da exposição.

b)

   80 dB(A) < LEP,d < 85 dB(A)

   e

   Max Lpico < 140 dB

O Trabalhador não se considera "exposto" ao ruído. Deverá ser feita a medição de LEP,d e de Max Lpico.

c)

   LEP,d ³ 85 dB(A)

   ou

   Max Lpico > 140 dB

O Trabalhador considera-se "exposto" ao ruído. Para além da medição de LEP,d e de Max LPico, deverá ser realizada análise sonora por bandas de oitava, de frequências centrais entre 63 Hz e 8000 Hz.

Página inicial

Consultório


Copyright © Março de 2000
Web Master - Luís Alcobia